DANO MORAL NO PROCESSO TRABALHISTA

 

 

images DANO MORAL NO PROCESSO TRABALHISTAO dano moral no processo trabalhista ultimamente passou a ser uma prática comum entre os empregados que passaram a requerer indenização por dando moral quando são dispensados mesmo sem justa causa. Na realidade é uma prática que constitui um direito indiscutível diante do que dispõe nosso ordenamento jurídico. Entretanto, é necessário adotar um critério justo e, principalmente, fazer uma análise coerente e correta para não se confundir um dano moral decorrente da relação trabalhista e um dano meramente de natureza civil.

CONCEITO DE DANO MORAL

De acordo com a enciclopédia WIKIPEDIA, ”considera-se dano moral quando uma pessoa se acha afetada em seu ânimo psíquico, moral e intelectual sejam por ofensa na sua honra, na sua  privacidade, intimidade, imagem, nome ou em seu próprio corpo físico, e poderá estender-se ao dano patrimonial se a ofensa de alguma forma impedir ou dificultar atividade profissional da vítima.

O dano moral corresponderia às lesões sofridas pela pessoa humana, consistindo em violações de natureza não econômica. É quando um bem de ordem moral, como a honra, é maculado.”

Já o professor Agostinho Alvim o termo dano tem um “sentido amplo, vem a ser a lesão de qualquer bem jurídico, e ai se inclui dano moral. Mas, em sentido estrito, dano é, para nós, a lesão do patrimônio; e patrimônio é o conjunto das relações jurídicas de uma pessoa, apreciáveis em dinheiro”.

Diversos outros doutrinadores já conceituaram o dano moral cada qual manifestando seu ponto de vista particular, mas que ,no entanto, não divergem significativamente entre si.

Diante dos conceitos expostos e considerando-se a fragilidade dos relacionamentos interpessoais e a disseminação de todo tipo de conteúdo nas redes sociais qualquer pessoa pode se sentir ofendido em sua honra ou na sua intimidade e se julgar no direito de pleitear uma indenização.

É preciso, portanto, separar o dano moral decorrente de uma ofensa de natureza civil daquele dano moral relacionado com a relação de emprego.

O que deve ficar claro é que nem toda ofensa à dignidade da pessoa no âmbito do direito do trabalho pode ser considerada decorrente da relação de emprego.

 

DANO MORAL NO PROCESSO TRABALHISTA

 

O artigo 483 e incisos da Consolidação das Leis do Trabalho prevêem a possibilidade do empregado requerer a rescisão indireta do contrato do trabalho quando o empregador praticar ato contra o empregado ou até mesmo contra algum membro de sua família, lesivo da honra ou da boa fé, ofendendo sua moral.

Além da rescisão indireta, o empregado também poderá, portanto, requerer o pagamento de indenização por dano moral.

RELAÇÃO DE CAUSALIDADE

O cuidado principal a ser observado é a existência do nexo causal entre causa e efeito para se pleitear a indenização por dano moral trabalhista. Em outras palavras: a causa geradora do pedido de indenização deve ser um ato praticado pelo empregador, decorrente de uma relação contratual.

Exemplificando: Os tribunais regionais de trabalho têm decidido que a ausência do pagamento do FGTS ou a falta de pagamento sistemática do salário constitui um dano moral passível de indenização.

Da mesma forma, a falta de pagamento das verbas rescisórias a trabalhadores dispensados sem justa causa tem sido considerada como um ato passível de gerar dano moral ficando as empresas sujeitas a serem responsabilizadas por esta prática ilícita conforme dispõem os artigos 186 do Código Civil.

.

Neste sentido podemos citar a decisão do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região, segundo a qual a falta de pagamento das verbas rescisórias quando da dispensa imotivada do trabalhador tem o condão de gerar danos morais cuja ementa do acórdão é a seguinte:

A falta de pagamento das verbas rescisórias quando do efetivo desligamento, deixando o trabalhador no total desamparo, sem usufruir das compensações legais para o período do desemprego, justifica a reparação moral no valor de R$ 5.000,00.”

INDENIZAÇÃO POR DANO MORAL DE NATUREZA CIVIL.

Paralelamente ao dano moral de natureza trabalhista temos também a indenização moral de natureza civil, mesmo quando realizada no âmbito da empresa.

Exemplificando: Um empregado admitido para exercer a função de vendedor que por ter algum conhecimento de informática realiza uma alteração no sistema informatizado da empresa gerando uma confusão generalizada no controle de faturamento.

Ao adverti-lo verbalmente o seu superior hierárquico se utiliza de palavras e expressões ofensivas gerando grave constrangimento ao empregado. Esta atitude do preposto do empregador tem o condão de gerar uma indenização por dando moral. Entretanto, não poderá ser considerado um dano moral de natureza trabalhista, mas sim de natureza civil, isto porque a ofensa não decorreu da relação de trabalho, embora tenha sido no âmbito da empresa.

O que diferencia uma situação da outra é justamente o nexo causal, a relação de causalidade. Nesta hipótese a ofensa não decorreu da relação de trabalho, haja vista que o empregado não foi admitido para exercer a função voltada à área de informática, mas sim de venda.

Por conseguinte, caso o empregado resolva pleitear qualquer indenização por dano moral, não poderá fazê-lo no âmbito da justiça trabalhista, mas sim na justiça civil.

DANO MORAL NO PROCESSO TRABALHISTA
Rate this post

Não se Deixe Enganar! Conheça seus Direitos.

Washington Luiz Rodrigues

Advogado especialista em Direito do Trabalho e Direito Tributário. Técnico em Contabilidade e sócio da empresa WCA Contabilidade Ltda.

Website: http://www.meusdireitostrabalhistas.com/

Deixe seu comentário